Envie seu whats:
(54) 99664-0955

MEGA NEWS Ver +


STF determina suspensão da vacinação de profissionais da educação em Esteio prefeitura vai recorrerSTF determina suspensão da vacinação de profissionais da educação em Esteio prefeitura vai recorrer

Compartilhe:
Publicado em 13/05/2021, Por GZH

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu, na quarta-feira (12), o pedido liminar para suspender os efeitos da resolução que autorizava a vacinação contra a covid-19 de trabalhadores da educação em Esteio, na Região Metropolitana. No texto, Toffoli diz que o município deve observar as diretrizes do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. A prefeitura de Esteio vai recorrer da decisão, informou, nesta quinta-feira (13), o prefeito Leonardo Pascoal. 

— Vamos entrar com recurso, pois nossa intenção é levar esse assunto para deliberação do plenário do STF. É necessário que o plenário analise e delibere sobre isso para poder realmente definir qual é a posição do STF sobre o assunto — defendeu o prefeito. 

Conforme Pascoal, a decisão de vacinar trabalhadores da educação foi referendada pela comarca municipal e pelo Tribunal de Justiça do Estado. Com isso, a segunda dose de quem já foi imunizado com a primeira vacina está garantida. 

— Lamentamos a decisão, pois o STF não nos ouviu antes de tomá-la. A vacinação desse grupo é muito importante. Lamento mais ainda que o STF esteja priorizando a imunização de presos. Isso reflete as prioridades do país — diz Pascoal. 

Até o momento, Esteio vacinou 945 profissionais da educação com mais de 40 anos das redes municipal, estadual e privada. No momento, a vacinação está suspensa.

A ação civil pública contra a alteração na ordem de prioridades em Esteio foi movida pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS). Sobre a decisão de Toffoli, o procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen, disse:

— O MPRS sempre defendeu, coerentemente com a sua posição, o seguimento da regra do Plano Nacional de Vacinação. Uma vez que não somos nós que estabelecemos quais os grupos são prioritários, um não pode ser preterido por outro. Isso cabe à autoridade do Governo Federal.

(FOTO: PEXELS)